Início » Destaques » Governador atende pedido da AROM e apresenta aos prefeitos novo plano de enfrentamento ao coronavírus

Governador atende pedido da AROM e apresenta aos prefeitos novo plano de enfrentamento ao coronavírus

O domingo de celebração ao Dia das Mães foi de muito diálogo entre os prefeitos e o governo do Estado de Rondônia. A pedido da Associação Rondoniense de Municípios (AROM), o governador Marcos Rocha apresentou o novo plano de enfrentamento ao coronavírus aos gestores municipais durante uma webreunião na noite de hoje (10), que durou quase 3 horas é contou com a participação de cerca se 40 prefeitos e, ainda, secretários de estado.

Com o avanço da covid-19 por vários municípios de Rondônia, ultrapassando a marca de 1,3 mil casos e mais de 40 mortes, ações mais enérgicas se fazem necessárias para salvar vidas. Por outro lado, é necessário ainda dedicar atenção a economia para que também não entre em colapso.

O plano “Todos por Rondônia” tem o objetivo, segundo Rocha, de frear a disseminação do novo coronavírus no Estado. Para isso, ele está dividido em quatro fases, sendo elas: distanciamento social ampliado, distanciamento social seletivo, abertura comercial seletiva e abertura comercial e prevenção contínua.

Durante o encontro de gestores, Cláudio Santos, presidente da AROM e prefeito de Theobroma, destacou que os municípios estão fazendo a sua parte, mantendo as barreiras sanitárias para controle de entrada e saída de possíveis infectados com a doença, organizando as equipes para as ações de enfrentamento da pandemia, sendo que em algumas cidades menores estão sendo utilizados, inclusive, servidores de outras pastas, além da Saúde.

“Governador, é louvável essa sua receptividade com os municípios, nos sentimos lisonjeados por essa reunião, colocando os municípios como elo importante ao enfrentamento dessa doença. Somos menores, temos pequenas equipes, mas estamos trabalhando. Nesse momento, quero aproveitar para dizer que as ações de enfrentamento ao coronavírus carecem de financiamento. A receita dos municípios caiu drasticamente e é preciso que o governo do Estado injete recursos para auxiliar o trabalho das Secretarias Municipais de Saúde, resguardando a vida dos rondonienses. Mais uma vez reafirmo, estamos diante de uma crise de Saúde e também econômica. Há a necessidade de apoio constante do Estado às prefeituras e apenas com união de esforços vamos conseguir vencer”, disse Cláudio Santos.

A webreunião contou com a presença de 37 prefeitos, além de representantes da Prefeitura de Porto Velho, e secretário Junior Gonçalves (Casa Civil); Luiz Fernando (SEFIN); Fernando Máximo (SESAU); Pedro Pimentel (SEPOG); e do coronel Pachá (SESDEC).

Em quase três horas de duração, todos os questionamentos apontadas pelos prefeitos foram esclarecidos pelo governador Marcos Rocha, assim como pelos técnicos presentes, garantindo um resultado muito positivo segundo a avaliação de todos os gestores municipais que puderam participar.

A equipe de governo ainda comunicará aos prefeitos, assim que concluído um novo Decreto, quanto aos critérios em que se enquadra cada município, para fins de qual fase a ser adotada por cada um.

Confira cada fase do Plano “Todos por Rondônia”

1ª Fase

Distanciamento social ampliado: É a fase inicial do plano com medidas de distanciamento social. Esta etapa será implementada se a taxa de ocupação de UTI for acima de 50% e os números de casos confirmados de Covid-19 dobrarem a cada dois dias no respectivo município. Nessa fase, será determinada:

-Movimentação dos cidadãos somente para a realização de compras ou trabalho;
-Comércio aberto apenas para serviços essenciais;
-Suspensão de visitas às unidades prisionais, asilos e hospitais;
-Home office para servidores e trabalhadores em geral;
-Proibição de reuniões e aglomerações com mais de 5 pessoas.

O que abre nessa fase?

  • Atacadistas;
  • Autopeças e serviços de manutenção;
  • Açougues;
  • Clínicas de atendimento na área da saúde;
  • Laboratórios de análises clínicas;
  • Consultórios veterinários e pet shops;
  • Distribuidoras;
  • Farmácias;
  • Indústrias;
  • Serviços bancários;
  • Obras e serviços de engenharia (atividades essenciais);
  • Oficinas mecânicas, borracharias e lava-jatos;
  • Postos de combustíveis;
  • Restaurantes e lanchonetes apenas entregas e retiradas no local;
  • Serviços funerários;
  • Supermercados.

2ª Fase

Distanciamento social seletivo: Ocorre a passagem para a segunda etapa, caso a taxa de ocupação de UTI no município seja inferior a 50% e que os registros de casos confirmados estejam desacelerados nos últimos 14 dias no município.

Além das determinações previstas na primeira fase, serão inclusos o isolamento para pessoas do grupo de risco e a abertura dos estabelecimentos que não promovam aglomerações e risco de contaminação, com base em estudos.

O que abre nessa fase?

  • Advocacia e cartórios;
  • Comércio de produtos agropecuários;
  • Concessionárias e vistorias veiculares;
  • Distribuidoras e lojas de produtos naturais;
  • Escritórios de contabilidade;
  • Hotéis e hospedarias;
  • Lavanderias;
  • Livrarias, papelarias e armarinhos;
  • Loja de eletrodomésticos, móveis e utensílios;
  • Lojas de equipamentos de informática;
  • Obras e serviços de engenharia e lojas de materiais de construção;
  • Óticas e comércio de insumos na área da saúde;
  • Lojas de máquinas e implementos agrícolas.

 

3ª Fase

Abertura comercial seletiva: Ocorre a passagem para a terceira etapa, caso a taxa de ocupação de UTI no município seja inferior a 40% e que os registros de casos confirmados estejam desacelerados nos últimos 21 dias na cidade.

Além das determinações previstas na primeira e segunda fase, será permitida a abertura de restaurantes (com consumo no local), respeitando as regras de distanciamento social e proibida a aglomeração acima de 30 pessoas.

4ª Fase

Prevenção contínua: Ocorre a passagem para a quarta etapa, caso a taxa de ocupação de UTI no município seja inferior a 20% e que não haja casos confirmados nos últimos sete dias. Na fase final, todo o comércio será aberto e o governo determina que sejam mantidos os hábitos de higiene e cuidados, além de obrigatório o uso da máscara por 120 dias após o início da fase 3, ainda com previsão de multa.

Assessoria AROM