Início » Últimas Notícias » Em reunião do GAEPE, presidente Lebrinha destaca importância de planejamento para retorno das aulas presencias

Em reunião do GAEPE, presidente Lebrinha destaca importância de planejamento para retorno das aulas presencias

Medidas necessárias para o retorno das atividades escolares presenciais foram tema de mais reunião do Gabinete de Articulação para Enfrentamento da Pandemia na Educação em Rondônia (Gaepe-RO). Formado pelo Tribunal de Contas (TCE-RO), dos Ministérios Públicos de Contas (MPC-RO) e Estadual (MP-RO), do Tribunal de Justiça (TJ-RO), da Defensoria Pública do Estado (DPE-RO) e, ainda, do Comitê Técnico da Educação do Instituto Rui Barbosa (CTE-IRB) e do Instituto Articule, a Associação Rondoniense de Municípios (AROM) e a União dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) foram convidadas para o debate, que ocorreu por meio de webconferência.

O Gaepe foi instituído para discutir assuntos ligados à educação, e busca por um alinhamento institucional sobre as medidas de urgência a serem adotadas em função da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19). Para Gislaine Lebrinha, presidente da AROM, é importante a da participação da entidade, uma vez que ela representa todo os municípios de Rondônia. “Quero aproveitar a oportunidade e parabenizar o presidente Paulo Curi Neto, e desta forma, todo o Gaepe, pela sensibilidade em convidar o municipalismo para o debate deste tema que tem recebido a atenção dos prefeitos, gestores de educação e também dos pais dos alunos. A AROM tem tido o cuidado de acompanhar a evolução dos casos e colher a impressão das gestões municipais sobre a questão.”, disse a presidente da entidade.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, as aulas presenciais estão suspensas desde março. No último decreto, o governador Marcos Rocha estendeu a suspensão até 31 de julho, mas estabeleceu que os prefeitos podem retomar as atividades educacionais. O presidente do TCE, Paulo Curi Neto, detalhou que a Seduc precisa elaborar e apresentar o plano para a retomada das aulas presenciais pós-pandemia. Porém, ele considera que deve-se deixar para as redes municipais, a realização e identificação de quais critérios, além de possíveis datas, para o retorno das atividades.

Segundo Lebrinha, o cenário existente nos municípios é diverso e exige concentração de esforços para que haja um retorno com segurança para todos. “Os municípios são o elo mais fraco dessa corrente. Mesmo com a Secretaria de Estado da Educação apresentando um planejamento prévio, com os procedimentos que devem ser adotados para o retorno das atividades escolares presenciais, é importante que cada município possa fazer uma avaliação. E nesse sentido quero parabenizar a sensibilidade do senhor conselheiro presidente Paulo Curi, em ponderar sobre o fato de que a rede municipal apresenta peculiaridades diferentes”, destacou a nova presidente da AROM.

Ela ainda completou que a rede municipal de ensino é composta por extremos e diversas medidas devem ser levadas em consideração. Para isso, a AROM já está fazendo diagnóstico com os gestores municipais de educação para conhecer a realidade de cada cidade e assim, apresentar sugestões que possam ser incorporadas à pauta do GAEPE. Lebrinha destacou que garantir o protocolo sanitário é importante, mas, para isso é necessário que os municípios se antecipem quanto as demandas, investimentos, compras, questões de funcionamento do transporte escolar, corpo técnico e de apoio, identificação dos alunos aptos para o retorno e outros pontos que norteiam a tomada de decisão”, explicou Lebrinha.

Participaram da reunião do GAEPE, o conselheiro presidente do TCE, Dr Paulo Curi Neto, o promotor de Justiça e coordenador do GAEINF/MP-RO, Dr Marcos Geovane Artico, o secretário de Estado da Educação, Suamy Vivecananda, o presidente da UNDIME/RO, Vilson Macedo, a procuradora do Ministério Público de Contas, Yvonete Fontinelle de Melo, a presidente do Instituto Articule, Dra Alessandra Gotti, e a gerente de Vigilância Sanitária da Agevisa, Vanessa Ezaki.

Assessoria AROM