Início » Notícias » Prefeitos iniciam tratativas com Assembleia Legislativa para recuperar créditos da Energisa

Prefeitos iniciam tratativas com Assembleia Legislativa para recuperar créditos da Energisa

Em reunião virtual realizada na noite da última segunda-feira, a Associação Rondoniense de Municípios (AROM) iniciou as tratativas com a Assembleia Legislativa para tratar do pagamento da dívida da Energisa, nova concessionária de energia do Estado, com os municípios. São mais de R$ 134 milhões devidos às 52 prefeituras, cujos recursos são divididos conforme o índice do percentual de participação do ICMS. Além do ativo financeiro, os municípios também seriam beneficiados com um programa de regularização dos imóveis urbanos e rurais pagos pela Energisa em forma de compensação.

Nesse acordo, o Estado de Rondônia tem direito a mais de R$ 700 milhões, conforme relatou o secretário de Finanças, Luís Fernando Pereira da Silva, mas é necessário a Casa de Leis aprovar um Projeto de Lei (PL) garantindo o Refis para a Energisa. Pelo cálculo do secretário, 85% dos juros e multas dos créditos tributários da concessionária seriam descontados da dívida principal. O caso está na Justiça e a Energisa já ganhou em instâncias superiores, mas hoje está disposta a negociar com o Estado para chegar um acordo, explicou Luís Fernando.

Presente à reunião, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Alex Redano (Republicanos), explicou aos prefeitos que devido as constantes reclamações da população com os serviços prestados pela Energisa, a Casa abriu uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). “Fui crítico a empresa e abrimos uma CPI que ajudou a esclarecer várias situações, mas vejo que obtivemos muitos avanços”, disse o parlamentar.

O prefeito Célio Lang, presidente da AROM, entende a importância do pagamento dos créditos aos municípios, pois dará um “oxigênio” nas finanças já desgastas com a quebra da economia nesta pandemia do novo Coronavírus e garantirá um trabalho inédito de regularização fundiária nos municípios. “É uma oportunidade que não devemos desperdiçar”, acredita Célio Lang.

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, concordou com o presidente da AROM sobre a importância da regularização dos imóveis. Ele explica que o serviço é dispendioso e que na Capital o projeto gira em torno de R$ 12 milhões e o processo licitatório é complexo. Porto Velho tem direito a R$ 35 milhões nesse acordo, segundo a planilha apresentada pelo secretário de Finanças.

O prefeito de Novo Horizonte, Cleiton Cheregato, defendeu a aprovação do projeto e garantiu que todos os vereadores farão vídeo para postar nas redes sociais falando da importância do aporte desses recursos para o município. Já Marcélio Brasileiro, prefeito de Nova Mamoré, entende que os municípios do interior, por serem altamente produtivos, precisam ter apoio na regularização na zona rural para o homem do campo buscar recursos nos bancos para melhorar sua produtividade.


Por fim, a AROM ficou de criar uma comissão de prefeitos para discutir o tema com os deputados estaduais e o Governo do Estado para garantir a aprovação do PL na Assembleia Legislativa.

Assessoria AROM

Além disso, verifique

AROM e Energisa dialogam sobre melhorias e investimentos nos municípios

Em visita a sede da empresa na quinta-feira (24), o presidente da AROM, prefeito Célio …