AROM reúne com o DER e acompanha de perto a destinação do FITHA 2023 para os municípios

Diretor do DER, Eder Fernandes; Prefeito Célio Lang (Urupá); Deputada Estadual eleita Taíssa Sousa e o Prefeito Mirandão (Costa Marques) reunidos no gabinete do DER-RO.

Na manhã desta terça-feira (17), o presidente da AROM, prefeito Célio Lang, o prefeito de Costa Marques, Vagner Miranda da Silva (Mirandão) e a deputada estadual eleita, Taíssa Da Silva Sousa estiveram reunidos com o diretor geral do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem e Transportes (DER), Eder André Fernandes em diálogo sobre o valor do Fundo para Infraestrutura de Transporte e Habitação – FITHA 2023, e solicitando que o repasse seja feito aos municípios o mais breve possível.

A reunião foi muito produtiva, conforme relata o presidente Célio Lang. “O diretor Eder Fernandes se propôs em agendar uma reunião com todos os prefeitos e prefeitas sobre a atualização da malha viária. No entanto, informou que este ano deverá seguir com o mesmo modelo que já existe, para não atrasar com o repasse do Fitha 2023 aos municípios”, destacou.

A agenda do AROM também foi extensiva a Secretaria de Estado de Finanças (SEFIN) e lá foi tratado para que haja participação da secretaria neste diálogo, visando o aumento do valor do Fundo repassado para o DER, possibilitando assim o aumento nos valores dos repasses para os municípios.

Os representantes da AROM, bem como o coletivo das prefeituras associadas, têm contado com o apoio do governador, Coronel Marcos Rocha, pois o seu compromisso com as bandeiras municipalista e com o desenvolvimento dos municípios rondonienses é uma marca da sua gestão.

“É muito importante os recursos do FITHA para os municípios, pois com o aumento dos insumos e tudo aquilo que os Entes locais utilizam para recuperação das estradas e obras, as prefeituras estão no limite dos gastos. O aumento será importante, pois é uma forma de amenizar o impacto dos gastos dos municípios”, defende Célio Lang.

RECURSOS

Os valores do Fitha são provenientes de convênios firmados pela Secretaria de Finanças, de ICMS de empresas da construção civil e pesada e de estabelecimentos frigoríficos e do ICMS sobre operações com combustíveis. De toda a arrecadação, o percentual de até 35% deve ser repassado aos 52 municípios. A AROM espera que o repasse seja agora fixado em 35%.

Assessoria AROM